Aves de Rapina: Feminismo na frente e atrás das câmeras

Muitos sonetos foram escritos sobre as mulheres. O poeta e compositor Vinicius de Moraes foi um dos que mais celebraram a beleza feminina. E a Soneto, apesar de ter peças para homens, tem como foco celebrar as mulheres, não apenas em sua beleza mas em toda sua missão e modo de trabalhar. Acreditamos no seu poder e que elas podem fazer tudo o que quiserem.

Então imaginem nossa felicidade ao perceber que a cultura pop está cada dia mais valorizando as mulheres? O exemplo mais recente é o filme Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa, da diretora Cathy Yan e com Margot Robbie no papel da protagonista. 

Um dos pontos mais bacanas desse filme, que é uma espécie de spin-off de Esquadrão Suicida, de 2016, é mostrar uma nova versão de Arlequina. Enquanto no primeiro ela era uma mulher que mudou tudo em si para agradar o Coringa (no que, convenhamos, era uma relação super tóxica), agora a personagem se liberta, se encontra e reescreve o próprio destino, tudo isso ao lado de outras anti-heroínas fortes, poderosas e que não levam desaforo para casa. “É uma história inspiradora, de mulheres aprendendo a trabalhar juntas. E essa é a Gotham da Arlequina e não do Batman”, afirmou a diretora.

E não só no enredo Aves de Rapina é uma produção feminista. Margot Robbie, que além de protagonizar é uma das produtoras, lutou para que tudo fosse muito diferente do que foi visto em Esquadrão Suicida. Sua intenção era que a personagem não fosse mais vista como um objeto de desejo, por isso a atriz exigiu do estúdio que toda equipe fosse feminina, com diretora, produtora, figurinista e trilha sonora cantada apenas por mulheres. Além disso, doou parte de seu dinheiro como produtora para que o filme pudesse acontecer e de forma que Arlequina não fosse sexualizada.

Apesar de muitas pessoas torcerem o nariz ao ouvirem a palavra “feminismo”, Margot Robbie não tem medo de assumir Aves de Rapina como um filme feminista, mas destaca que não é limitado a isso. "Feminismo não é só para mulheres. Homens também podem ser feministas", afirmou. Ewan McGregor, que tem um papel fundamental no enredo, comentou que o roteiro tem uma perspectiva verdadeira sobre misoginia e “eu acho que nós precisamos disso. Nós precisamos ter mais consciência de como nosso comportamento afeta as mulheres”, disse.

O ator ainda explicou que em filmes os homens misóginos são extremos - estupram, batem, matam – e eles existem mesmo, é claro, mas no dia a dia a misoginia está presente e as pessoas, principalmente os homens, nem percebem. E isso foi trabalhado em Aves de Rapina. “Para mudar, nós precisamos ser ensinados”, finalizou.

Margot Robbie não se preocupou apenas em celebrar a força das mulheres, mas também procurou representatividade no elenco e na equipe de produção. Para ela, no fim das contas Aves de Rapina tem uma mensagem clara: Empoderamento.

O longa é da Warner e faz parte do universo cinematográfico da D.C. Comics. Além de Arlequina, que conseguiu uma aceitação gigante do público em todo o mundo, o estúdio é responsável por Mulher Maravilha, com Gal Gadot, o primeiro filme de super-herói protagonizado por uma mulher. Mulher Maravilha arrecadou mais de U$ 800 milhões e a expectativa é que Aves de Rapina seja também um sucesso estrondoso.

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa estreia nos cinemas hoje, dia 6 de fevereiro.

 

Por Teca Machado